, ,

Dicas para sair da rotina nas férias, mas sem enlouquecer com os bebês

Estamos na metade das férias, e por aqui a rotina de Catarina já foi para o “bebeléu” faz tempo! A pequena está acordando e indo dormir duas horas mais tarde do que o habitual, os almoços não têm um momento do dia definido para acontecer, mas, por incrível que pareça, não estou ficando enlouquecida dessa vez. Vejo que o tempo faz toda a diferença (se seu filho ainda é um bebê, você não pode imaginar quanta!): depois dos 3, 4 anos de Cacá, a modificação dos horários passou a não alterar  tanto nem os ânimos dela, nem os meus. Mas quando ela era bebê, as coisas não funcionavam bem assim!

Olha que Catarina, por incrível que pareça, até que aceitava bem a saída da rotina em uma viagem. Como ela sempre dormiu mal em casa (demorava muito para pegar no sono e estava sempre ranzinza), se isso acontecesse em um passeio, não era muita novidade. Por outro lado, a pequena sempre gostou de novidades, por isso ficava muito mais entretida! E com isso chorava menos, e eu ficava muito mais calma. Assim, com 16 dias a filhota fez sua primeira viagem de carro, e com 10 meses voou de avião!

Só que quando saíamos da rotina, em seguia algumas regrinhas básicas, que foi coletando da experiência de outras mães com o passar do tempo. Elas sempre funcionaram super bem por aqui, e por isso compartilho com vocês agora:

  1. O carrinho é uma mão na roda! Ele funciona tão bem para dar um apoio para a criança fora de casa, que você vai desejar usa-lo até quando seu filho for bem grande. Aqui, com os 6 anos de Catarina, isso não é mais possível, mas juro para vocês que dá uma vontade… Pode ser que você se pergunte: “mas vale a pena levar aquele trambolhão na viagem?”. Tenha em mente que em quase 100% dos casos, valerá, sim. Carrinho é bom para aeroporto (você não precisa carregar o filho, malinha, bolsa, etc, até a porta do avião), para a criança tirar um cochilo em um parque da Disney (ou em qualquer outro passeio fora de casa), para dar um tempinho para seus braços de pai ou mãe descansarem, para proteger do sol, e mais mil utilidades.
  2. Tenha comida, sempre! Como pode acontecer de um passeio demorar mais do que o esperado para acontecer, pode ser que as refeições do seu filho atrasem. E criança com fome não combina com viagem, nem com diversão. Ter uma papinha, um biscoitinho, etc, ajuda muito nessa hora. Se você ainda amamenta, melhor ainda: coloque no peito, deixe o pequeno mais calmo, e siga o caminho!
  3. Planeje os passeios de carro para os momentos em que o pequeno precisa dormir. Se o filhote está muito cansada de um passeio e precisa dormir, um giro de carro pela cidade pode ser uma ótima opção. Lembre também que os pequenos costumam “desmaiar” no trajeto, e se isso acontecer ao fim do dia, provavelmente ficarão acordados até mais tarde sem reclamar.
  4. Leve crianças na viagem. Quando outras crianças viajam ou fazem um passeio com você, o filhote provavelmente ficará mais entretido, e reclamará menos das mudanças na rotina. Conversar com uma mãe que tenha um filho da mesma idade que o seu também é bom demais!
  5. Parentes podem ajudar. Se a vovó e o vovô também vão, provavelmente você terá alguém com quem revezar os cuidados do pequeno, e conseguirá aproveitar mais a viagem. Para o filhote essa variação no cuidador também ajuda a renovar as energias (e o bom humor!).
  6. Tenha sempre os remédios de uso comum à mão. Isso porque a falta de rotina pode dar o filhote uma febrinha, uma dorzinha de cabeça – já vi acontecer milhares de vezes! Nessa hora, ter o medicamento que o pediatra prescreveu para seu filho não tem preço!
  7. Fique calma. As dicas anteriores não funcionarão se você estiver nervosa com a falta de rotina. Se a mãe não está confortável com a situação, o bebê sentirá e reclamará, tenha certeza! Por isso, tente aproveitar o passeio, porque esse tipo de oportunidade não aparece a todo momento, não é verdade?